quinta-feira, 23 de março de 2017

Shabbat ( A mim )

Vai surgindo o  Sol, no seu horizonte.  Vira, mais tarde, um silencio de Shabbat, na vida que passou rapido.
Para dizer que estive aqui, e de que essas letras sao tao reais, como seu sono, e a vontade de experimentar o dia.
Surjam raios, e estarei viva, como voces.
O descanso me espera, o confortador silencio da parada, mundo aberto a novas texturas, um fim de semana por vir.
Saboreio o tempo que me separa desse encontro, com as atividades ludicas de que tanto gosto, e relembro de momentos, sem saber onde estava.
O sono tomando conta,e me sinto diferente, mais densa. Com a porcao de minha vida em maos, e um todo se fazendo presente. O sonhar em cima de minhas proprias realizacoes, sem a dimensao do belo, que fora de mim.
Surjam raios, tragam a manha e estarei aqui, vingando a proximidade com nossa ave mae, e sonhando num contexto em que meu eu se faca forte, por tamanho possuir, Ana, juntas.
Aguardo-me no descanso que vira, sono reposto, dois dias de puro contentamento em so estar.
E Shabbat, e estou so.  Nao como poderia, mas como o quisesse.  Junto a mim mesma, e basta.
Por ora, nas decisoes de que sonho tomar, e a que rumo me atar, pondero. Porem me levando, tambem, ao desconhecido de minhas incognitas, sempre presentes.
Dois dias em que me esperam cores, palavras, sentidos.  Em que serei descobrimento e fascinio.  Vontade e calma, pois  Shabbat, permitindo o sendo apenas estar, e cultivar o nada, ou o mais fortuito.  Simplesmente se deixar levar.
No passeio que farei, e na languidez que, por certo, me alcancara.  Deixar-me tomar e sentir o fresco do que nao cabe juizo, absolutaente livre na sua proposta.
Venha, Shabbat, e me envolva num manto de ternura.  Acaricie minha solidao com rosas.  Deixe-me vagar ao centro de mim mesma.
Ir-me ao longe, para acima das constelacoes de que meus olhos possam visualizar.  E, de la, olhar a Terra como uma estrela, que sauda a vida, e por ela se enternece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário